Entendendo a “Tabela Bovespa” de Corretagem

A chamada “tabela Bovespa” é uma tabela de corretagem cobrada por diversas corretoras na compra e venda de ações e outros ativos na bolsa de valores.

Mas de onde vem esta tabela? De onde surgiram seus valores? Eles fazem sentido?

Tentaremos responder estas perguntas neste artigo mas, antes disso, vamos conhecer a “tabela Bovespa” e como ela fuciona.

Conhecendo a “tabela Bovespa”

Abaixo você encontra a “tabela Bovespa”:

Faixa de valor (R$) Fixo (R$) Percentual
Até 135,07 2,70 0,0%
135,08 - 498,62 0,00 2,0%
198,63 - 1.514,69 2,49 1,5%
1.514,70 - R$ 3.029,38 10,06 1,0%
3.029,39 e acima 25,21 0,5%

As corretoras que cobram corretagem baseadas na “tabela Bovespa” calculam o montante de sua operação e aplicam as taxas fixas e variáveis da tabela.

Por exemplo, a compra de 100 ações a R$ 30,00 (cada) resulta em um montante transacionado de R$ 3.000. Segundo a tabela, este montante se enquadra na 4ª faixa de valores, portanto por esta operação você deveria pagar de corretagem:

R$ 10,06 + (R$ 3.000 × 1,0%) = R$ 10,06 + R$ 30,00 = R$ 40,06

Agora que você já sabe o que é e como funciona a “tabela Bovespa”, vamos saber de onde ela veio e como sobrevive até os dias de hoje.

De onde veio a “tabela Bovespa”?

Anos atrás, as Comissão de Valores Imobiliários (CVM) estabelecia os limites máximo de corretagem que as corretoras podiam cobrar de seus clientes. Este tabelamento visava nivelar os serviços e custos e, apesar de definir apenas o limite superior de preço, na prática, a grande maioria dos investidores acabava pagando a tabela “cheia”, com a exceção de investidores que operavam com valores elevados, que utilizavam seu poder de barganha para conseguir descontos com suas corretoras.

Em 2000, o Conselho Monetário Nacional emitiu a Resolução 2.690 que, dentre outras coisas, acabou com o tabelamento da corretagem. A partir de então, as corretoras estavam livres para definir seus próprios valores de corretagem, abrindo-se, assim, espaço para a concorrência e o livre mercado de corretagem.

A tabela que não morre

Apesar do fim do tabelamento em 2000, muitas corretoras ainda continuam cobrando corretagem seguindo a “tabela Bovespa”.

Algumas corretoras cobram a “tabela Bovespa” apenas em operações executadas fora do homebroker, tais como o envio de ordens por telefone ou presencialmente. Outras corretoras cobrar a “tabela Bovespa” em todas as operações — incluindo as operações executadas via homebroker.

Principas críticas à “tabela Bovespa”

Muitos investidores têm críticas à utilização da “tabela Bovespa” na cobrança de serviços de corretagem. As principais críticas são:

  • O valor de corretagem é um percentual do valor transacionado (nós assumimos aqui que niguém opera na bolsa com valores na primeira faixa da tabela). Isso acaba com parte da vantagem do investidor que possui um grande volume de dinheiro, pois a corretagem será proporcional ao tamanho de suas operações de compra e venda.
  • O percentual cobrado é elevado e, por isso, reduz a rentabilidade do investidor.
  • Apesar da inflação medida pelo IPCA entre 2000-2010 aproximar-se dos 100%, os valores das faixas de cobrança não foram corrigidos e continuam os mesmos que em 2000.

Operar com a “tabela Bovespa” pode ser vantajoso

Para os investidores com pequeno volume de dinheiro e/ou que vão executar apenas compras e vendas de ações envolvendo pequenas quantias, utilizar ou não a “tabela Bovespa” pode não fazer muita diferença.

Isso porque, para quem compra e vende baixos valores, o total de corretagem final não vai ficar muito diferente em relação ao que é cobrado dos investidor que pagam corretagem fixa.

Na verdade — e dependendo do valor da operação —, pagar corretagem utilizando a “tabela Bovespa” pode até ser vantajoso. Confira abaixo uma tabela com os valores mais comuns de corretagem fixa cobrados por corretoras em operações de compra e venda, e o valor limite onde pagar a “tabela Bovespa” pode ser mais vantajoso:

Corretagem fixa (R$) Limite (R$)
2,50 A “tabela Bovespa” nunca é vantajosa neste caso
5,00 250,00
10,00 500,66
15,00 834,00
20,00 1.167,33
25,00 1.500,66

Por exemplo, pela tabela acima, seria mais vantajoso para um investidor que paga R$ 15,00 fixos por ordem operar pela “tabela Bovespa”, se o valor envolvido for menor que R$ 834,00.

Note também que o investidor que paga corretagem fixa a R$ 2,50 nunca encontrará vantagem na “tabela Bovespa” porque a menor corretagem desta tabela é R$ 2,70.